janeiro 18, 2009

Priceless

Ansiolíticos

Ontem reencontrei o prazer de conduzir, passados quase 10 anos... consegui conduzir, calma, a gozar o momento. Porque sempre gostei de conduzir, mas nos últimos anos não o tenho sentido... apenas a irritação de lidar dia após dia com anormais que atentam contra a minha segurança.

Ontem, de antena 2 em punho à toada de Rimsky-Korsakov (e nem por isso o mais indicado), não me importei com nada disso... não quis saber qual era a faixa que andava mais depressa, não quis pressionar ninguém para deslargar a faixa da esquerda, não tive qualquer necessidade de ensinar ninguém conduzir... e reaprendi a gostar de o fazer.

Estupidez ou não

... há blogues que vale a pena acompanhar.

janeiro 17, 2009

Saídas de banco

São agradáveis e tal... mas o que fazer quando a noite foi descansada, chegamos a casa às 9am, sem sono e não temos nada que fazer? É que sábados de manhã não são momentos de utilidade... ninguém faz nada aos sábados de manhã.
Não sei se me vá enfiar na fnac, se me vá enfiar num centro comercial à procura de roupa que preciso de comprar, se vá apanhar frio para a rua só porque sim...

Bela fama

Ontem uma senhora abordou-me na rua do hospital, a pedir-me ajuda para encontrar a mãe dela. Não sabia em que serviço estava, sabia apenas que tinha estado no serviço de urgências. Quando foi lá saber da mãe mandaram-na dar uma volta ao hospital à procura da senhora...

Ela encontrou-me precisamente do outro lado do hospital, onde não me soube dizer nada que me orientasse. Perguntei-lhe porque é que a mãe tinha vindo ao hospital, de que se queixava... dado que pelas queixas ou estaria no meu serviço (e eu sabia que não estava) ou num outro, fui com ela a esse serviço.
A doente não estava lá. Procurei no sistema, e a senhora tinha tido alta há 2h do serviço de urgência geral... isto no sistema, porque provavelmente estava numa cadeira qualquer, provavelmente já com o epítet "caso social". Lá encaminhei a senhora, com indicações para falar com os administrativos e com as folhas que lhe dei na mão obrigá-los a encontrar-lhe a mãe.

Quando voltei ao serviço onde tinha sido chamada, a copeira e a auxiliar de acção médica saíram-se com esta:
- Ai Sra. Dra., isso já não há...
- Desculpe?...
- Isso que a Sra. Dra. fez... isso já não se faz. Parar o seu trabalho e andar a ajudar aquela senhora assim.. acho que faz muito bem e que Deus a ajude em tudo quanto lhe vier pela frente.

Ri-me, agradeci, fiquei toda orgulhosa de mim mesma (babada na verdade)... mas depois fiquei a pensar... que raio de fama têm os médicos. O que é que custa fazer o que fiz, sinceramente? É assim tão frequente virar as costas a uma pessoa que nos pede ajuda a encontrar a mãe que estará algures no hospital que nós conhecemos bem e onde nos sabemos mover?
E não me senti superior ou bem comigo mesma por não ser assim... senti-me triste.

E ainda

Profissionalmente é em 2009 que vou ser reconhecida... somando os 2 posts anteriores, percebe-se que isso é uma coisa (a única eventualmente) positiva que me espera neste ano.
Certo é que eu sou reconhecida profissionalmente todos os dias... só não pelas pessoas certas. Todos me têm um apreço e reconhecimento de capacidades e até conhecimento, excepto os do meu serviço, nomeadamente o meu tutor (salvo muy raras excepções). Incomoda-me, mas começo a pensar que se calhar o problema não é meu...

Não, agora a sério

Diz que 2009 vai ser um ano em muito (para mim e afins virginianos, para quem gosta/engole estas coisas) semelhante a 2008, visto que acaba o processo iniciado nesse ano. Um processo de revolução, de instabilidade no adquirido... em todos os campos (emocional, financeiro) excepto o profissional.
Sendo que 2008 ficará para sempre na memória como um ano de merda, pensar que 2009 o continua na mesma tónica é no mínimo desesperante.

Diz-que 2009

...vai ser a continuação de 2008!

Reza-te a sina

Não sei porque tenho esta necessidade de agradar e impressionar... passo a vida a desiludir-me por não me reconhecerem valor, simplesmente porque preciso que o façam.

janeiro 15, 2009

(In)significâncias

Já é a segunda vez que tenho um sonho semelhante. No primeiro, apanhava um qualquer comboio necessário para chegar a uma ponta de Lisboa (??), enganava-me na saída e tinha que trocar em Citius para sair na paragem certa (a anterior).

Neste, no mesmo comboio, acompanhada de dois amigos que seguiam noutra carruagem (nos sonhos há coisas assim... não era por ausência de espaço). Segundos antes da paragem pretendida, mais uma vez Citius, disseram-me que era ali que saíamos... arrumar tudo à pressa, com mochila do interrail e tudo, a pôr todas as malas na gare com as pessoas a entrar no comboio e a serem incapazes de se desviarem... quando ia a pôr a última mala na gare e sair, a porta fechou-se e o comboio começou a andar... abri a porta preparada para sair em andamento mas já não havia plataforma, o comboio não tinha degraus e os carris ficavam muito a baixo do nível do comboio.

Não percebi o que queria isto dizer... a reacção das pessoas que voluntariamente só complicavam, a minha ansiedade (e sobretudo a ausência dela anteriormente, que me permitia ter tudo desarrumado segundos antes da possibilidade de ter que sair, nada característico meu...), o não haver plataforma ou a altura desmedida do combóio.

Por estranhar o facto de se repetir este contexto estranho da linha de combóio e da repetição do nome da estação:

citius - do latim mais rápido, mais célere; é também o nome do projecto de desmaterialização dos processos nos tribunais judiciais desenvolvido pelo Ministério da Justiça.

E...?

janeiro 14, 2009

Limitante

Sempre soube este pequeno facto acerca de mim mesma, mas não quis encarar a verdade...

Adoro tachos, panelas, tupperwares (o que eu amo tupperwares!!), electrodomésticos pequenos e grandes... especiarias, peixinho especial de corrida, escolher a melhor verdura e a melhor carne... gosto de comprar toalhas de mesa, guardanapos, loiça... e a lista continua (e o que é triste é que até pode mesmo haver uma lista, real e não apenas figurativa).

Isto tem duas conclusões:

- Sou realmente a minha mãe, sem tirar nem pôr;
- Sou a confirmação do clichet: se me ampliassem a cozinha, eu ficava realmente feliz... genuinamente feliz!

janeiro 10, 2009

É muito gira a nossa aldeia

E o que dizer sobre os lugares reservados?
Reservados por caixotes de mercearia, por tábuas, por andaimes, por baldes de tinta barbot...
Tudo dá direito a reservar lugar.

Daqui por uns tempos, descompenso, e quando passar numa rua qualquer que não a minha, só para fazer finca-pé, afasto as marcações e estaciono. Dou uma volta ao quarteirão a pé e depois fico a ver o que acontece...

É que na minha rua, estacionar num lugar guardado por pessoas a ocupá-lo dá lugar a cruzes no pára-choques... é verdade... duas ou três em baixo relevo. Eu que o diga (ou o meu carro melhor dizendo). A letra escarlate, como quem anuncia "a dona deste carro não obedece ao código não escrito dos lugares reservados"...

E não obedeço mesmo, irritam-me as imposições sem sentido, e o conceito de que há pessoas que podem mais que outras. Lá porque não tenho uma tábua, um caixote de mercearia ou um balde de tinta barbot não quer dizer que não goste de estacionar à porta de casa.

Acho que tenho que mudar de casa, as pessoas da minha rua irritam-me...

Velhas, parte II

Para uma velha, as preocupações são particulares. O mundo delas gira à volta de coisas importantes como o passeio e os caixotes do lixo.
Pelo menos as velhas da minha rua são assim...

Na mesma rua com uns bons 10 lugares de estacionamento, as velhas acham correcto que não menos que 3 desses lugares sejam ocupados pelos contentores do lixo. Ai de quem queira afastar um contentor para estacionar um carro...

O objectivo de passarem as tardes à janela (aberta apenas se tempos mais amenos... nesta altura do ano encostam o nariz à janela e daí velam a rua) é garantir a segurança do seu precioso caixote do lixo.
Seu como quem diz do seu prédio. É que estes monos verdes têm que estar imediatamente à porta de suas casas, ou elas sofrem de terríveis palpitações e terrores nocturnos... o seu coração não aguenta. E é de coração na boca que gritam qualquer coisa imperceptível pela janela... rogando o bom senso do incauto automobilista que ousa estacionar num lugar tão dignamente ocupado pelo caixote.

As velhas da minha rua irritam-me.

Velhas

(a estacionar na rua à porta de casa, que tem à vontade uns bons 10 lugares, tendo que pôr duas rodas no passeio, mas a ter o cuidado de afastar o carro o mais possível para dar espaço para os peões passarem)

velha (através dos vidros do carro fechados) - bla bla bla (como os adultos no Charlie Brown)

eu - diga? (abro a janela, pensando que ela quisesse de facto dizer-me alguma coisa ) diga?

velha olha mais para o fundo da rua, fingindo que não estava a falar comigo de início

eu - diga?

velha - (resignada com ter que dizer qualquer coisa na cara e não atirar coisas para o ar, lá me respondeu) está em cima do passeio... e assim como é que os peões passam?

eu - pois minha senhora, por isso é que estou a afastar o carro...

velha cala-se, olha noutra direcção, e só quando chega outra velha ao lado dela é que recomeça a ladaínha.

Espero nunca me tornar tão cobarde quando chegar a velha. Odiaria irritar-me a mim própria.